COMPARTILHANDO FATOS, IDÉIAS E VIDA ENQUANTO CAMINHAMOS

22 de mai de 2007

Os Machucados filhos da Graça-Gelol



OS MACHUCADOS FILHOS DA GRAÇA-GELOL

A tendência natural da alma é viajar entre pólos, especialmente quando sua conexão com um deles começou como obrigação, convenção, comportamento moral ou mesmo como uma obrigatória rebeldia amoral.

Medo, obrigação, culpa e ódio são em geral as forças que mais pressionam a alma contra um de seus pólos, nesse caso, da pior forma possível.

Assim, presa como uma lagartixa por alguma força que a pressiona contra a parede do sentir, a alma ali fica, até se despregar por alguma razão (geralmente um tragédia ou trauma), e, então, deixar-se pendular para o pólo oposto, e lá ficar por um tempo (com sorte), ou para sempre, como muitas vezes é o caso.

Outros vão sendo sacudidos de um pólo para o outro, e como são frágeis e reativos, vão indo e voltando sempre, cada vez mais cínicos, cada vez mais impermeáveis a qualquer coisa.

Alternâncias sistemáticas de pólos dolorosos ou desconfortáveis (como é sempre o caso) acabam por gerar cinismo, pois, ninguém agüenta mudar-se o tempo todo para o pólo oposto. Quando isto acontece, o equilíbrio nunca chega, pois, em tal caso, não se encontra equilíbrio, mas sim o cinismo como estabilidade.

Hoje o que se vê é a viagem Evangélico Coletiva para o pólo do cinismo.

Já se foi e voltou tantas vezes, que a maioria cansou...

É gente que não larga, mas que também não segura.

É gente que diz “amém” para tudo, mas que não faz nada.

É gente que confessa que crê, mas que por tal fé não vai a lugar nenhum...

Isto sem falar nos que foram tão traumatizados com tudo o que lhes sobreveio como engano e opressão religiosos, que, agora, mesmo quando encontram o Evangelho como Palavra e fé, tratam tudo como se em razão do engano passado tivessem ganhado um crédito que agora lhes faculta viver em descomprometida devoção e desinteressado engajamento.

Desse modo, dizem que agora sim; que a Graça agora os alcançou; que enfim ficaram libertos da opressão e do engano. Aleluia.

Entretanto...

Se antes doaram e dizimaram por medo, hoje nada dão por acharem que se antes foram ‘enganados’, agora é a vez deles ‘sonegarem’...

Se antes se engajaram por pavor, hoje sentem ser natural e justo trocarem qualquer “ministério” por pipoca com coisa nenhuma.

Se antes pregavam, ainda que de modo chato e sem sabedoria, hoje não confessam nada, nem sob tortura.

Se antes se esforçavam e se davam com toda força, hoje querem que tudo seja feito sem esforço e sem atitude; sem dinheiro e sem engajamento; sem ordem e sem objetivo.

Mas se algo não dá certo; se o que lhes fazia bem já não pode mais ser mantido disponível por falta de recursos financeiros; e se os que realizam essas coisas são discretos e maduros (e esperam que todos saibam que devem ajudar tudo o que faz bem e realiza o propósito do Evangelho) e, por isso, nada dizem sobre as dificuldades que experimentam — com a supressão daquela coisa, ministério ou serviço antes oferecido a todos; ou com sua retirada de sua disponibilidade e acessibilidade a todos, então, todos os filhos da “Graça traumatizada”, logo vêm correndo e querendo saber o que está acontecendo... — e, na maioria das vezes, com ares de cobrança.

Até mesmo muitos dos que aqui me escrevem, e são centenas e centenas de cartas todas as semanas (este site recebe muito mais e-mails do que a Revista Veja), demandam de mim que responda todas as cartas, como se minha existência fosse ficar aqui, sentado de dia e de noite, insone, atormentado como um Gadareno missionário, vendo carta a carta, me revolvendo sobre todas, e lendo-as sem parar, decorando o nome de cada pessoa, e memorizando todos os assuntos, de cada pessoa, e na seqüência...

E se demoro a responder... Ou se nunca respondo por nunca ter visto... Ah! Não queira nem saber... Levo cada bronca. Fico pasmo. É como se eu fosse um sonegador de bênçãos. Nada que eu não conheça de sobra, por assim ter sido, em medida devastadoramente maior, o tempo todo antes... Isso, todavia, era antes...

Mas hoje? Depois de tudo? E ante minha clareza e franqueza em tudo! E ainda assim existem cobranças brabas?! Loucura! Especialmente porque tudo aqui é na Graça e de graça.

Sim! Sempre me choca ver a total falta de percepção acerca de minha situação e de minhas limitações.

Interessante! Quase ninguém quer saber o significado de tudo o que fazemos; quais são as necessidades com as quais lidamos; o que mais poderia estar sendo feito, e o quão mais úteis poderíamos ser...

O salto de qualidade e alcance que poderíamos dar seria inimaginável, tão somente cada um ajudasse, se envolvesse, cresse que se está fazendo algo tão sério que faz Bem (e você é testemunha disto); e que tem o potencial de atingir muito mais gente, se cada um dos freqüentadores e beneficiados deste site, ajudasse como pudesse, inclusive financeiramente.

Aqui no site está dito como contribuir. Está aí. Qualquer um pode achar. Tudo explicado. Mas quantas vezes você que vem aqui todo dia já foi lá? E se foi, em quanto tempo esqueceu? O honesto mesmo é admitir que a maioria quase absoluta ama este site e dele se serve todos os dias; e que ficariam tristes e desolados se ele saísse do ar (eu sei), mas que jamais pensam que cada coisinha que aqui acontece recursos têm que ser investidos. E mais: que poderíamos estar fazendo muito mais se cada um ajudasse com um pouquinho só, mas que fosse o pouquinho do fiel e perseverante.

Estou dizendo isto sem nem bem saber a razão. É claro que desejaria que muitos acordassem para o que aqui digo. Entretanto, mais do que tudo, escrevi a fim de expressar como me sinto em relação à qualidade de compromisso dos atuais traumatizados filhos da graça-gelol.

E como vejo tal compromisso?

Ora, para mim esse suposto compromisso se manifesta pela sua total ausência de compromisso e interesse objetivo e prático nas coisas.

O compromisso dos traumatizados filhos da Graça-Gelol é dizer: “Legal mano! Não precisando de nada, disponha, ta? Graça e Paz!”.

A esses eu digo:

No Evangelho Deus prefere os filhos ‘não’ aos filhos ‘sim’. Pois os filhos ‘não’ dizem que não irão, mas sempre chegam antes. Mas os filhos ‘sim’, apenas dizem ‘sim’, mas seu ‘sim’ diz efetivamente ‘não’ para toda proposta do Evangelho.

Assim, atenção todos os filhos da Graça-Gelol:

Eis que muitos filhos ‘Não’ e muitos fariseus precedem vocês no reino de Deus; pois, mesmo dizendo ‘Não’, levaram Deus muito mais a sério do que vocês, que concordaram com tudo o que Jesus disse, mas não fizeram nada.

Caio
Maio/2007

Nenhum comentário: