COMPARTILHANDO FATOS, IDÉIAS E VIDA ENQUANTO CAMINHAMOS

13 de ago de 2007

No Divã - 19a. História

MEU NAMORADO VISITA SITES PORNÔ. O QUE FAÇO? ATÉ MEU IRMÃO ENTROU NESSA...


-----Original Message-----
From: MEU NAMORADO VISITA SITES PORNÔ. O QUE FAÇO?
Sent: terça-feira, 9 de março de 2004 17:42
To: contato@caiofabio.com
Subject: ATÉ MEU IRMÃO ENTROU NESSA...

Mensagem:

Rev. Caio Fabio,

Gostaria de iniciar essa carta dizendo que apesar de não conhecer profundamente sua história,
o admiro pela postura que tem tido em ouvir as pessoas e procurar auxiliá-las em seus questionamentos.
Imagino o quão difícil isso deva ser. Ter que se deparar com tantos e diversos tipos de problemas; conhecer profundamente o ser humano não é uma tarefa fácil.
Tenho acompanhado periodicamente seu site, e confesso que tenho ficado triste e surpresa com muitas das cartas, pois revelam um mundo que eu não conhecia.
Mas isso tem me feito enxergar muitas coisas que achava que não existiam; ou pelo menos que não eram tão freqüentes no "meio evangélico".
Não que eu seja um exemplo de santidade, mas eu sempre construí este sonho a respeito dos cristãos, e lendo as cartas eu tenho desmistificado esta idéia a cada dia. Confesso que tem sido um processo doloroso.
Uma questão que gostaria de colocar nesta carta envolve um pouco disso.
Estou numa crise a respeito do que é normal e até onde as coisas podem chegar.
Tenho 30 anos e namoro há 1 ano; e por ter acessado o computador do meu namorado algumas vezes, descobri que ele freqüenta alguns sites pornográficos. Isso me deixou arrasada, me senti traída; e quando o questionei a esse respeito, ele me disse que isso acontece de vez em quando, e que não há nenhuma razão específica para isso... Mas me senti muito mal vendo isso!
Ele tem 36 anos e está tendo um contato maior com Deus agora.
Hoje, antes de escrever esta carta, acessando a internet, vi que meu irmão também acessou alguns sites pornográficos, e fiquei arrasada também; pois ele também namora, é cristão e eu não imaginava isso. Nas duas vezes acabei descobrindo sem querer, o que me deixou muito mais apreensiva, pois isso nem passava pela minha cabeça.
Confesso que estou com certa "aversão" a tudo isso, e fico imaginando se estou exagerando, se "os homens são assim", ou se realmente isso é uma porta que pode abrir outras...
E o que pode estar por trás desse tipo de comportamento?
Se puder me dar uma orientação, eu agradeço.
Que Deus continue te abençoando e lhe dando muita sabedoria!

Em Cristo

Amiga

****************************
Resposta:

Minha querida amiga:

Paz e Esperança!

Assim como são as pessoas, são as criaturas!—diz um provérbio popular dos bares de Copacabana.
Nas pessoas há muito do que há nas criaturas (instinto), mas nas criaturas não há o que só existe nas pessoas: consciência.
A luta humana acontece entre o instinto e a consciência. A saúde humana é preservar o instinto, sem se deixar dominar por ele; e desenvolver a consciência, sem deixá-la se tornar um viveiro de neuroses e culpas fabricadas pelo excesso de rigores aos quais muitas vezes a alma se submete, matando totalmente o instinto.
Você narrou o quanto a realidade evangélica acordou você de suas próprias ilusões, e mencionou os dois episódios internetianos, envolvendo seu namorado e seu mano. E quase perguntou: “Os homens são assim mesmo?”
Bem, as criaturas são assim, a maioria delas, incluindo muitas fêmeas, mas os machos, em quase todo o reino animal, são assim.
Os homens também têm mais tendência a ser assim... Na internet, do que eu posso observar pelo que leio e sinto, vejo que as mulheres andam mais em busca de relacionamento—muitos homens também—, mas o sexo masculino, em geral, ou quer “ver” coisas e observar em detalhes—voyerismo—; ou quer um contato para uma “coisa rápida”, bem objética.
Não estou dizendo que o último caso seja o do seu namorado ou de seu irmão. Mas da primeira alternativa nenhum dos dois escapa. As diferenças entre Ontem e Hoje nessa questão são apenas os “meios”, mas os homens sempre foram assim... Antes havia as “revistinhas”; depois as “Revistas e os Vídeos”. Hoje, além de tudo, temos tudo na net. No entanto, a net não alterou as tendências neste sentido, apenas facilitou os acessos. Aliás, se houve um grupo que ficou mais agressivo na “caça” com a net, foi justamente o feminino. Há muito mais ofertas de encontros e perfis de mulheres na net do que de homens, pois, para as mulheres, a net dá a chance de papos protegidos antes da mulher se aventurar a sair com o cara. Se você observar, a mesma paquera com um homem que na rua uma mulher dispensa, não será dispensada via net. Por que? É que na rua a mulher se sente na obrigação de passar batida, mas na net ela tem a chance oculta de descobrir se por trás daquela “agressividade” há alguém capaz de sentir alguma coisa, ou em busca de algum relacionamento. Ora, isto é o que em geral acontece... mas não tem necessariamente nada a ver com os dois casos que chatearam você.
Não conheço seu namorado nem seu mano, mas me atrevo a dizer que provavelmente eles estejam tratando o assunto como se fosse “papo de bar em Copacabana”; ou seja: só se fala de mulher... mesmo os homens casados...é uma espécie de futebol erótico...um carnaval estético...uma catarse de fantasias... um derrame de testosterona oral. Ora, isto sim é bastante comum. Assim como é comum as mulheres que não sejam muito religiosas, conversarem também sobre homens—os seus homens (maridos, namorados, amantes, etc...), e acerca dos homens das amigas. Você sabe como isto acontece. Minha opinião é que você não deve fazer disso um cavalo de batalha, e nem também algo insignificante. No que diz respeito ao seu irmão, apenas diga a ele para não ficar “viciado” nessa esquina virtual. No que se relaciona ao seu namorado, diga a ele que ele mesmo não suportaria se a situação fosse inversa. Mas não radicalize, pois, de um modo ou de outro, essa “anormalidade” faz parte muito presente da instintualidade masculina. Portanto, se você puser pressão, o fluxo não vai correr na sua direção, mas contra você. O cara pressionado fica muito mais rebelde e desejoso de fazer aquilo que até então era apenas uma “satanagenzinha” de Internet. Então, o bicho pode crescer e pode pegar. No entanto, a mera existência dessa coisa nos entretenimentos de seu namorado já revela um certo infantilismo nessa área. Não sei nada dele, como homem—sua história de vida e de atividades sexuais—, mas sempre existe algo de infantil nessa fixação. A maturidade sexual não tem mais interesses em fotos. A sexualidade madura—seja para o bem ou para o mal—não se gratifica com o virtual, mas tão somente com o real e concreto. Ora, isto posto, eu prefiro que agora você me escreva dizendo o que acontece entre você e seu namorado, bem como alguma coisa sobre o histórico dele; pois, de outra forma, não tenho como avançar além deste ponto. Fique calma e fique fria. Você está fazendo um processo de aterrizagem no mundo real, o que também inclui os evangélicos; e ter encontrado essa outra realidade no contexto presente de suas "observações chocadas", certamente já exacerbaram seus sentimentos... e você corre o risco de amplificar esses bichos contra você mesma.
Portanto, calma, pois, assim como são as pessoas, são as criaturas! E lembre que nas pessoas há muito do que há nas criaturas (instinto), mas nas criaturas não há o que só existe nas pessoas: consciência.
Assim, repetindo: A luta humana acontece entre o instinto e a consciência.
Hoje seu instinto é de mulher desconfiada e sua consciência é de crente chocada.
É uma péssima hora para chegar a certas conclusões.

Fique atenta, mas não neurótica ou paranóica.
Confie no Senhor e ande com sabedoria e calma.

Receba meu carinho.

Nele, que conhece as nossas almas e não nos despreza,

Caio

Nenhum comentário: