COMPARTILHANDO FATOS, IDÉIAS E VIDA ENQUANTO CAMINHAMOS

29 de abr de 2008

O sacro e o profano!

Texto: O sacro e o profano! - Baseado no texto de Mateus 2: 1-12

O Caminho da Graça (instituição), dentre outras, me trouxe respostas a questões que eu tinha há anos.

Alguns textos bíblicos, para mim, eram demasiadamente "profanos" para eu entender, ou sequer, perguntar a alguém sobre eles.

No Caminho da Graça alguns textos começaram a ter sentido.

Pegarei o texto relacionado ao nascimento de Cristo, como exemplo:

Ambiente profano.

Cristo nasceu em um ambiente incomum, simplório, impróprio, etc.,...

Em nossas religiões e credos tentamos colocar Cristo em lugares sacros.

Nos templos, na sacristia...

Tratamos o Santo como sinônimo de higiene e assepsia do mundo.

Cristo não nasceu no estábulo?

Homens profanos.

Uns tais reis magos queriam saber quem era o Cristo.

Talvez através de estudos das religiões, estes magos, mágicos, astrólogos, provavelmente sincretistas, ou seja, homens que se orientavam pela criação (astros) que buscavam mistificação ou, pelo menos, direção e respostas para estes e outros fenômenos.

Alguns fatos estavam claros neste relato:

  1. Estes tais queriam adorar o Cristo!
  2. Eles não sabiam de tudo. Sabiam a função da estrela, mas não a cidade de nascimento do Cristo.
  3. Aqueles provenientes da religião judáico–cristã, os sacerdotes, "interlocutores entre Deus e o homem", e os escribas, "os tradutores das escrituras", não atentaram ao fato da estrela anunciada e proclamadora;
  4. Herodes, após informação dos judeus, informa aos reis magos, quanto ao local: Belém. Utilizando seus interesses escusos, relacionados à vida de Jesus.
  5. Os reis magos vão a Belém e, onde, no alto, estaciona a estrela, crêem sem ver, que o Cristo estava nascendo no estábulo;
  6. Quando vêem o Cristo adoram e expressam louvor;
  7. Após tal evento os reis magos, voltam para casa e neste momento, acontece o mais incrível: Deus fala com os magos. Com aqueles da religião mística, com aqueles que não estavam no arcabouço da fé judáico–cristã, com aqueles que eram orientados pelos astros: Com os ditos profanos!

Para pensar!

Destaco dentre os fatos acima:

Os de fora da religião judaico - cristã intencionaram adorar o Cristo de Deus, creram no Cristo sem vê-lo, adoram quando o viram e foram divinamente orientados.

Primeiramente, observamos que, o profano e o sacro não são segmentados e estereotipados, como muitos querem fazer selecionando e julgando credos e pessoas.

Num segundo momento, só podemos enxergar tais fatos, através da Graça de Deus, que a todos aceita, agrega e ilumina!

O Caminho da Graça – instituição me deu respostas a isso! Graças a Deus.

Tupi Rodrigues

Nenhum comentário: