COMPARTILHANDO FATOS, IDÉIAS E VIDA ENQUANTO CAMINHAMOS

29 de mar de 2011

Batismo: Depoimentos de Sidney e Alex

1. Por Alex Paiva
Quando fui batizado pela religião, há pouco menos de uma década, entreguei-me com toda a sinceridade do meu ser, àquilo que acreditava ser a representação de Deus na terra. Ao corpo de Cristo, ao organismo invisível, à assembléia dos santos. Ledo engano! |continua|

2. Por Sidnei P. Costa
Domingo, 27/3/2011, eu me batizei. Estou Caminhando, de início, em 2004, numa experiência bastante singular, pois eu só existia virtualmente, lá, no endereço eletrônico www.caiofabio.net e, ao depois, de 2005 até hoje, congregando com os manos da Estação Santos, mentoreada pelo nosso Marcelo [Quintela] e, há 37 anos, desde 1974, revelo, nunca tive a consciência do Evangelho da Graça na minha existência como adquiri, num crescendo, de 2009 pra cá. Nunca tive paz, apesar de que saudava aos irmãos com: "A paz do senhor". |continua|
1. Por Alex Paiva
Quando fui batizado pela religião, há pouco menos de uma década, entreguei-me com toda a sinceridade do meu ser, àquilo que acreditava ser a representação de Deus na terra. Ao corpo de Cristo, ao organismo invisível, à assembléia dos santos. Ledo engano!

Sem de fato discernir com o coração, entreguei-me a um “corpinho”, um “vaticaninho” que ostentava todo um sistema dogmático e vigilante da vida de sua membresia. Uma instituição estelionatária, que tomara por assalto a identidade de Jesus.
Ontem, domingo, 27 de março de 2011, com todo o discernimento do Espírito, com toda a consciência em Cristo, crendo em sua reconciliação, em sua salvação e livre no amor, confessei com o corpo, com a minha alma e com o meu espírito, a Jesus Cristo, como o meu Senhor e salvador. O aceitei, somente porque fui aceito, e, aceito, por ter sido amado primeiro e justificado Nele antes da fundação do mundo. Apesar de mim e independente do que sou. Morto e sepultado com Ele no Batismo, e ressuscitado para o compromisso de uma boa consciência diante de Deus.
Portanto, agradeço a Deus pela ocasião especial e propícia na Estação Santos do Caminho da graça, aos manos presentes que me prestigiaram e pela boa vontade do Marcelo [Quintela], nosso mentor, que compreendeu esta decisão e me batizou no amor, separando-me para a obra que Deus já de antemão me havia preparado, para que assim, nela, pudesse andar.

Alex Paiva
Outono de 2011
____________________________________________________
2. Por Sidnei P. Costa
Domingo, 27/3/2011, eu me batizei.

Estou Caminhando, de início, em 2004, numa experiência bastante singular, pois eu só existia virtualmente, lá, no endereço eletrônico www.caiofabio.net e, ao depois, de 2005 até hoje, congregando com os manos da Estação Santos, mentoreada pelo nosso Marcelo [Quintela] e, há 37 anos, desde 1974, revelo, nunca tive a consciência do Evangelho da Graça na minha existência como adquiri, num crescendo, de 2009 pra cá.

Nunca tive paz, apesar de que saudava aos irmãos com: "A paz do senhor".

Na esteira de atender a expectativa que havia na liderança da antiga denominação acerca da minha chamada mergulhei na prática do exercício dos dons espirituais, i.e., glossolalia, variedade de línguas, interpretação e profecia, além de desenvolver os dons vocacionais e naturais sem o menor pudor desde que isso cooperasse para me promover na hierarquia.

Aprofundei, por conta disso, preconceitos que nunca antes eu tinha imaginado possuir, tais como: sectarismo, falso puritanismo, legalismo, apologética   defesa da placa da denominação   e distante de saber o evangelho na minha existência.

Formei-me em teologia depois de ter me formado em oratória e isso foi feito pela vaidade da ilustração e aperfeiçoamento de minhas performances nos púlpitos que utilizava desde aqui   Santos   e bem por quase todo o Brasil.

Fiquei bom nisso. Sabia agradar a liderança; era treinado pra levar a congregação a ofertar "no sacrifício" e isso me deu grau de aspirante ao pastorado. 

E, contudo, ainda havia um vazio tão terrível dentro de mim que para que vocês possam entender, era em direção oposta a toda essa prática intensa e nervosa que eu mergulhei em busca de reconhecimento humano. Isto é. Eu era tão vazio tanto quanto era intenso no fazer a obra que, não tão inocente, pensava ser a de Deus; mas era a dos homens.

Isso foi arrancado de mim...

...arrancado como o pastor faz no campo e remexe a lã das ovelhas feridas pra lhes retirar, um a um, os espinhos que magoam suas carnes!

Estou liberto!

Aleluia!

...

Não vivo mais a busca de uma história para viver...

Eu vivo, isso sim, agora, a história d'Ele, do meu Senhor, do meu Deus, do meu Pai, do meu Salvador, Jesus Cristo, que me amou antes de eu saber o que é o amor e antes de descobrir que, o amor, não emana de palavras e discursos; é dom de Deus, é obra do Espírito Santo em nos alcançar e convencer disso: felicidade só se tem vivendo nessa história de salvação!

...

Amados, eu me batizei...

Eu me batizei depois de ter vivido a mesma liturgia desse sacramento em 1974, com 19 anos de idade, há 37 anos...

...Água na pele, alma seca, espírito sedento, caminho de deserto...

...

Amados, eu me batizei!

A data?         27/3/2011, domingo;

O Local?       Buffet Da Vinci, aonde se dá a reunião da Estação Santos;

Como foi?    Está sendo...

...o Marcelo [Quintela] me levou às águas e como profeta, com gesto de cuidados daquele pastor de ovelhas, coração carregado de unção e de Graça, intimidade própria que se dá só entre amigos, orou uma oração apaixonada e inesquecível nas suas predições e verdades que me fizeram estar até agora como quem sonha, como assim também emocionou a Dª Judith – minha mãezinha – que estava lá em companhia da irmã Josefa que tanto ora por mim, meu mano Alex, que ao meu lado também recebeu a mesma benção e tantos amigos da Estação Santos...

...que, agora, estão todos juntos nessa nossa história de aprendizado em amor e de caminhada pra além da mediocridade...

Aleluia, Ele ressuscitou!

Doou-me vida e poder e me batizou esse batismo...

...Água na pele, alma curada, espírito pacificado, caminho de alegria, ainda que andando e chorando!

Obrigado Marcelo,

Obrigado Dª Judith e irmã Josefa,

Obrigado filhonas Mari e Danny,

Obrigado manos, 

Obrigado Senhor Jesus, 

que me amou primeiro,



Amo vocês,



Sidney

4 comentários:

sidney disse...

Estive com a irmã Josefa essa manhã, lá no Cículo de Oração que minha mãezinha, D Judith, é dirigente e ela [Josefa] nos fez revelação de igual sentimento que se nos acometeu desde o batismo domingo:
— Estou como quem sonha...que pregação e inspiração do seu pastor [falando do Marcelo] pra nos emocionar tanto!

Obrigado de verdade manos,

sidney

Thalita disse...

Parabéns Sidney!
Não estive presente, mas não tenho dúvidas de quão emocionante foi! Suas palavras apaixonadas são o testemunho deste momento tão importante para vc.
Abraços, Thalita

Mari Bracco disse...

Mas me deu ainda mais saudade depois de ler esse seu depoimento tao profundo e sensivel. Saudades do Marcelo, de assistir culto em portugues e de me sentir assim: leve e flutuante hehe... Parabens, pai! Muito bonito sue gesto!

sidney disse...

Poxa mana Thalita que legal te ver por aqui ajudando a eternizar aquele momento de muito significado pra minha existência...

...

e te ouvir, então, filhona Mari, pra quem serei devedor irremediável de ter caminhado tanto entre os caminhantes inicialmente por sua mão, por sua ajuda, ou melhor, por sua convicção inflamada que me fazia calar qdo daqueles debates acalorados a bordo do VW-Gol na porta do seu apê: eu querendo impor toda minha teologia e vc o seu amor por Jesus...UaU... alí começou esse meu batismo!
amo vcs,
sidney